Curta a nossa página
Boa tarde!  Teresina, 15 de julho de 2019
 
17/06/2019 às 09h13 O âncora Você está aqui: Home / Saúde Imprimir postagem

Pais superprotetores: crianças devem ser expostas a 'riscos benéficos', apontam pesquisas

Nada de brinquedos de plástico, pisos acolchoados e superproteção! As crianças devem ser “expostas aos riscos”. É o que dizem estudos nacionais e internacionais, contrariando o pensamento de muitas mães e pais superprotetores.

Segundo as pesquisas, escalar brinquedos altos, subir em árvores, descer de cabeça para baixo no escorregador ou optar por brinquedos de madeira, pneus, pedras e areias, além de contribuir para o desenvolvimento infantil, ajuda a formar pessoas mais seguras, com mais habilidades sociais e melhor aprendizado. 

Quem também defende as pesquisas é a pedagoga e neuropsicopedagoga Clíssia Silva, do Espaço Motiva. Segundo ela, com base nos estudos da neurociência, muitos fatores podem contribuir para o processo de desenvolvimento da criança, sejam eles de base neurobiológicas ou sociais.

“É crucial que a criança vivencie experiências que as desafiem, para que ela receba estimulações que ative o funcionamento do seu cérebro, influenciando diretamente no seu desenvolvimento cognitivo e da sua aprendizagem”, explica a especialista.

Neuropsicopedagoga Clíssia Silva ressalta a importância dos "riscos benéficos". (Foto: Arquivo Pessoal)

Para Clíssia, os pais precisam aprender a lidar com a própria ansiedade e insegurança para avaliar o perigo real. “Esse é um dos primeiros passos que os pais devem dar antes de limitar as ações de seus filhos. É sempre válido ressaltar que dificuldades e frustrações, todo o indivíduo terá durante a sua evolução, afinal, isso faz parte da vida. Quanto mais somos expostos a esses fatos, estaremos sofrendo estímulos e resultando em outras possíveis respostas que influenciarão no nosso desenvolvimento social e cognitivo”, destaca.

Para a neuropsicopedagoga, o que se deve avaliar é, até que ponto a superproteção pode ser um benefício ou um malefício para a criança. "Não são todos os estímulos que trarão resultados ou benefícios, mas a ausência deles podem desenvolver atrasos ou dificuldades. O estímulo ideal acarretará em uma aprendizagem efetiva e um bom desenvolvimento, e para que isso ocorra, a criança deve sentir o prazer em estar realizando-o e o ambiente deve estar propício a isso. Portanto, é importante avaliar que estimulações são de fato efetivas e a que tipo de situações essas crianças estão sendo expostas, pois a estimulação realizada de maneira inapropriada, motivará em um desenvolvimento ou em um atraso", ressalta. 

Explorar e se arriscar para se desenvolver!

Uma pesquisa feita no Canadá, que analisou vários estudos sobre o assunto, apontou que não há relação entre aumento de quedas e machucados e altura dos brinquedos.

Segundo os especialistas, crianças que se arriscam mais, na verdade, se machucam menos.

Um documento mundial elaborado pela Internacional School Grounds Alliance está pedindo que pais e educadores incentivem políticas para que as crianças sejam expostas a "riscos benéficos" em pátios das escolas, por exemplo. 

Uma outra pesquisa realizada na Nova Zelândia incentivou que as escolas passassem a ter parquinhos "mais perigosos", ou seja, nada de brinquedos de plástico ou pisos acolchoados. As crianças precisam experimentar um pouco de risco, claro, de acordo com a sua idade, em áreas e ambientes que tenham brinquedos que imponham desafios, como rampas, escadas e pontes e que permitam contato com areia, pedras e com a natureza. 

Elaborado pelo Grupo de Trabalho em Saúde e Natureza da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o Manual de Orientação “Benefícios da Natureza no Desenvolvimento de Crianças e Adolescentes” recomenda que crianças tenham “acesso diário, no mínimo por uma hora” a ambientes como parques, praças e praias para “se desenvolver com plena saúde física, mental, emocional e social”.

A pedagoga e neuropsicopedagoga Clíssia Silva também concorda com o manual, pois acredita que a exposição a esses ambientes podem trazer benefícios para o desenvolvimento cognitivo e do processo de aprendizagem.

Para a especialista, crianças expostas a "riscos benéficos" ajuda no combate a exposição excessiva a telas de celulares e computadores, por exemplo, além de incentivar que saiam do confinamento dos espaços fechados.

"A interação em grupo torna-se mais divertida, pois estimula a criança a troca de experiências e conhecimento à cerca do que elas estão vivenciando naquele momento. Sendo a interação com o outro uma forma de estimulação, uma brincadeira de faz de conta ou até mesmo uma brincadeira com regras, permite com que ela tenha outras experiências que permitirão agregar conhecimentos a respeito do convívio em sociedade. O importante é que o simples fato de brincar e interagir trarão benefícios significativos ao seu desenvolvimento cognitivo, social e do processo de aprendizagem", garante Clíssia. 

Se para a maioria dos pais expor os filhos a certos riscos pode apavorar, a fotógrafa Tereza Jardim, mãe da pequena Izabel Jardim, que ainda vai completar dois anos no mês que vem, sabe lidar muito bem e entende a imortância do equilíbrio de proteger e incentivar os desafios da filha. 

Reportagem: Andressa Ferreira

Multimídia: Demax Silva e Gabriel Caldas

Coordenação: Enderson Oliveira

Reproduzido do DOL


  Tags:

sem tags

Comentários

Atenção! Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.